« Home | Há uns dias atrás escrevi este post. Ontem, nessa... » | T1 Cosy mais cosy não há » | Também, era o que mais faltava! » | foi giro » | Análises estatísticas bastante complexas » | 000001 » | Big Ideas » | Felicidade Nacional Bruta » | Red Hot » | "A beleza dura poucos anos. Não há quase nenhuma p... » 

quinta-feira, maio 25, 2006 

Mais Criatividade s.f.f.

Quando se fala em outdoors e publicidade exterior, normalmente, a imagem que nos vem à cabeça é de um cartaz, estático, sem qualquer interacção com o meio envolvente e com uma total ausência de efeito surpresa.
As agências nacionais optam pelo comodismo; o outdoor é, na grande maioria das vezes, a mera adptalão da imagem da campanha à proporção do suporte em si. Não existe rasgo, génio - no fundo não se pensa muito sobre isso, é assim, sempre se fez assim.
Em prol da criatividade e da inovação opta-se pela massificação.

Principalmente nos E.U.A. (não, eles não são todos burros) e no Brasil, a visão que se tem da publicidade exterior é completamente diferente. Senão veja-se:



Bic (lâminas)

Ariel

Minis (Vending)

Electrolux 2000 watts (aspirador)

Royal (vai uma fatia?)

A diferença entre estes e os outros?

Estes custam mais. Custam mais à agência que tem que pensar um bocadinho, mas custam menos ao cliente que em vez de 50 outdoors reproduzidos com a mesma imagem e o mesmo formato tem só um destes, poupando dinheiro e ganhando no impacto e visibilidade da campanha - e normalmente é isso que se quer com uma campanha não é?

Bem sei que em Portugal o problema não é só das agências também é dos anunciantes, mas isso já seria outra conversa...

lindo, lindo está o Camião da Selecção! ;)

Enviar um comentário

Links to this post

Criar uma hiperligação