« Home | Ganhámos todos! » | Super-poderes para um Super-Fim-de-semana » | O Juramento de Hipócrates » | Se os Sindicatos tivessem feito o seu papel... » | Bom dia... » | Celso Fonseca » | Pois » | Tempos de Crise » | Voar acima da lei » | A Arte - Paul Klee » 

terça-feira, março 07, 2006 

Ensaio sobre a Nabice

Já li muitas críticas a jogadores de futebol, nenhuma com tamanho sentido de humor e classe.

Basicamente o que ele diz é que o Rodrigo Tello (jogador chileno do Sporting que chegou rotulado de craque – mais um) é um nabo. Um nabo burro ainda por cima, mas com piada, com muita piada, aliás, ele, que curiosamente se apelida de Maradona (como o Deus) é a coisinha com mais humor, daquele inteligente, que anda por aí - mais que os fedorentos e quase quase ao nível do Family Guy.

“(...) As capacidades cognitivas que se lhe exigiriam para lidar satisfatoriamente com uma bola quando animada da menor carga cinética parecem-me, nesta altura da sua vida, já impossiveis de adquirir. Marcar cantos, faltas de qualquer ponto do terreno, pontapés de baliza ou o que seja quando o esférico está tetraplégico, chame-no. Mas noutra situação, pelo amor de deus, façam de conta que o homem está incontactável. Não é que seja um Douala, cuja cérebro parece percepcionar qualquer bola de futebol como que feita a partir de residuos de Chernobyl, mas mesmo assim as situações de jogo que hipoteticamente o transformariam no que se convencionou chamar "jogador de futebol" são, apesar de tudo e do momento que vivemos, ainda demasiado escassas para justificar a sua presença numa equipa de futebol como a que nós queremos que o Sporting seja.”

:)

tambem temos lá desses no Dragão. está de ir às lágrimas!

Enviar um comentário

Links to this post

Criar uma hiperligação