quarta-feira, novembro 30, 2005 

Todos somos iguais mas uns são mais iguais q outros


"A homossexualidade aparece como um inacabamento e uma imaturidade intrínseca da sexualidade humana". Foi este o argumento sustentado ontem pelo Vaticano para recusar a ordenação de padres homossexuais.

Mas, pergunto eu, também não esta recusada a ordenação de padres heterossexuais?

No fundo, um padre só pode ser assexuado, não é?!


Ass. Um herege imaturo, certamente intrínseco de uma educação falasiosa e pactuante com o demo (que também deve ser homossexual)

 

Por motivos técnicos o programa foi interrompido

...Durante os próximos dias esperamos resolver esta $#%&$!!

Obrigado.

terça-feira, novembro 29, 2005 

Ele é que é

"Eu é que sou o Manuel Alegre"

Manuel João Vieira, apresentação da candidatura à presidência em Lisboa, 28-11-2005

 

...

E o laranja que fica aqui tão bem, ãhn!

 

Cool Blog

De forma a acompanhar as novas tendências de design (ver gala Blogui Milano) e os mais recentes avanços tecnológicos a gerência optou por lançar este modelo; Eu chamo-lhe Motherfucker…Cool Motherfucker!...Vocês podem chamá-lo o que muito bem vos apetecer.

Uma opção estética que causou alguma polémica foi a de ter deixado a imagem de raiz no topo “Your Image here”. Esta escolha é uma afirmação pessoal, uma visão muito própria, um paradigma de abnegação, algo que diz ao Mundo “Ok, eu até sei mudar o template do blog, mas como é que se muda a porra da imagem?!?”

O facto dos comentários agora se fazerem nesse número ridículo ao pé do título também se enquadra nesta corrente.

Sem querer ser castrador, espero que corrente tenha os dias contados...

segunda-feira, novembro 28, 2005 

Bocejo de 2ºFeira






















Tragam-me cafés...................

quinta-feira, novembro 24, 2005 

Movimento "Não lhe dês Cavaco"

Numa extraordinária demonstração do poder cívico, ontem, dia 24 de Novembro, foi criado o movimento “Não lhe dês Cavaco” que visa proteger o País “Portugal” da ameaça de figuras nocivas ao seu desenvolvimento.

Assim, como forma de demonstrar aos “Portugueses” que a figura “Cavaco” não, não, não, não pode ser uma escolha para as Presidenciais apresentamos aqui, em primeira-mão, os nossos ponderados e reflectidos argumentos sobre…

3 razões para não lhe darmos (a Portugal) Cavaco

1. Cavaco Silva não tem lábio superior
Há quem diga que isto é fruto de experiências genéticas que deram para o torto (ver caso Petit). Agora também me podem dizer: Epá, ok mas para que é que ele precisa de lábio superior?
Primeiro, o lábio superior é o principal responsável pela degustação de bolo rei, sem a sua existência poderíamos ficar, por exemplo, com um naco enorme de bolo rei na boca sem o conseguirmos engolir durante tempo indeterminado.
Segundo, o lábio superior é o principal responsável pelas palavras interessantes, pelo discurso inteligente, na sua ausência, ou as frases saem desconexas (ver caso Petit) ou absurdamente chatas

2. Cavaco Silva é um autómato
As suspeitas de que o Cavaco é um autómato construído por algum extraterrestre com o objectivo de conquistar o mundo não são de agora, mas as suspeitas aumentam de ano para ano, porquê?
. Tem o mesmo cabelo e penteado há 145 anos
. Não envelhece
. Diz sempre as mesmas coisas – duma forma que provoca um amolecimento e entorpecimento tal no ouvinte que após 1,4 segundos já ninguém sabe o que ele está a falar
. Nunca ninguém o viu a passar férias, a ler um livro, a dizer uma piada, a falar sobre futebol (!!), a mandar um piropo…enfim, coisas que os humanos fazem…
. Se gravarmos o seu discurso e passarmos ao contrário podemos ouvir “…rss…nosvamos…escravizarvos..raçainferior……rssss….bolorei…rsssss”

3. Cavaco Silva é mais Excel que Word
Como os únicos livros que lê são auditorias, contas e planos financeiros, prevê-se que Cavaco irá proibir todo e qualquer livro que não tenha pelo menos 85% de números no seu conteúdo.
Quando confrontado com o caso José Saramago (quando proibiu, ou seja censurou, que a Obra “Memorial do Convento” concorresse ao prémio Nobel), Cavaco disse que propôs a Saramago que ele inserisse umas tabelas e uns gráficos para aquilo ficar mais legível e ele recusou…


O movimento “Não lhe dês (a Portugal) Cavaco” afirma que existem inúmeras e variadas razões para acrescentar a esta lista, mas devido ao cansaço intelectual que o Presidente da mesa apresenta (fruto das inúmeras tarefas que extraordinariamente realiza durante o dia) por ora quedamo-nos por aqui.

A Mesa

quarta-feira, novembro 23, 2005 

«Sons em Trânsito» começa hoje!


"A IV edição do festival «Sons em Trânsito» - Festival de Músicas do Mundo de Aveiro arranca esta quarta-feira na cidade do norte litoral. June Tabor, Toumani Diabaté & The Summetric Orchestra e Celso Fonseca constituem alguns dos nomes presentes no cartaz que se espalha por cidades como Vila Nova de Famalicão, Bragança e Vila Real.

A programação de quarta edição do evento pretende alargar a sua componente lúdica, com a inclusão de workshops, ateliers, cinema, feiras discográficas e serões de conto, para lá da componente musical.

Artistas de vários quadrantes geográficos e de diferentes estilos musicais cruzam-se num festival que já adquiriu espaço no panorama português."


O cartaz é o seguinte:


Saibam tudo aqui


terça-feira, novembro 22, 2005 

S/ Título



segunda-feira, novembro 21, 2005 

Cavaco Silva em alta!

Decidido a apagar de vez a ideia que escasseiam ideias e projectos à sua candidatura e à sua pessoa, Cavaco Silva, defende que o Presidente deve pedir ao Governo ou ao Parlamento que legisle sobre determinada matéria e que elabore Livros Brancos (in, diário digital).

Mais, numa atitude demonstrativa de uma enorme maturidade intelectual, o candidato presidencial afirma que será ele próprio a escrever o primeiro livro, que se intitular-te-á “As minhas ideias para Portugal”.

 

Breves Desportivas deste belo Fim-de-semana

  • Como forma de solidariedade com o Ricardo, Quim começou também ele a apanhar uns franguinhos (Scolari deve agora estar indeciso a quem dar a titularidade)
  • O Quaresma devia ser convocado para o Mundial (Não dizer nada ao Scolari, não vá ele pensar que é mais um lobby poderoso)

 

Vasco Pulido Valente, sobre Mário Soares

Acho que é a primeira vez que vejo o Vasco Pulido Valente dizer algo positivo sobre alguém, bom, acho mesmo que é a primeira vez que o vejo dizer algo positivo sobre qualquer coisa.
Apesar de começar a crónica, e bem, descrevendo o facto de Soares já não ter nenhuma influência no mundo politico europeu, pelo facto dos seus amigos já terem morrido ou pelo simples facto de já não estarem no poder (Miterrand, Delors, etc.), termina com este brilhante apontamento.

«(...) nesta melancólica campanha, que lhe corre mal e não se endireita, Soares chegou inesperadamente a uma certa grandeza. Mesmo errando em tudo, ou quase tudo, não erra no principal: a fidelidade a si próprio e ao que sempre desejou na vida. Herdeiro de uma grande tradição política e parte proeminente dela, não suporta um homem sem passado, autoritário e vazio, à frente da República. Aristocrata e cosmopolita, odeia esta "Europa" incivilizada e "americanizada", dividida e conflituosa, que se afunda pouco a pouco, entregue a nulidades de ocasião. E não consegue ficar quieto no seu canto, "empalhado", "Pai da Pátria", enquanto cai à volta tudo aquilo que ele admirou e por que sofreu. A coragem de resistir nunca lhe faltou e não lhe faltou agora, na altura mais difícil.
É bom que ele exista.»


Vasco Pulido Valente, «É bom que ele exista», Público, 20.11.2005

sexta-feira, novembro 18, 2005 

Dogmas

Tão delicioso, que não resisti a mais este furto:

"Já devem ter lido testemunhos de muita gente que diz o mesmo que eu. Que não é fácil sair do PC. São anos e anos, muitas lutas, muitos sonhos, um sentimento quase familiar. Não se sai do PC de forma leviana. É uma decisão complexa e dolorosa. Mas eu tinha que sair. Estava desiludido, inquieto. Já não aguentava mais. E há três meses abandonei finalmente o PC. Custou um bocado, mas agora estou contentíssimo com o meu Mac."

in, www.estadocivil.blogspot.com/

 

(In)cultura em Aveiro

Tristes notícias para a cultura aveirense.

Paulo Ribeiro, reconhecido programador cultural, foi afastado da direcção artística do Teatro Aveirense, por supostos problemas financeiros.

Em entrevista ao DA, de ontem, podemos ler as seguintes afirmações:

«Há um “lobbie” obscuro instalado na cidade que contribui para que o Teatro Aveirense não possa dar o salto. O projecto nasceu torto e vai continuar torto, porque há pessoas que têm uma certa voz mas que revelam um desconhecimento total»

«A cultura acaba sempre por ser o bode expiatório», lamenta o coreógrafo, acusando a Câmara de «pensar pequeno».

"Paulo Ribeiro deixa a programação «praticamente fechada» até Maio, mas adverte para o risco de perda de um apoio de 200 mil euros do Instituto das Artes para as actividades do Teatro Aveirense em 2006. Aquele organismo tutelado pelo Ministério da Cultura apenas atribui as comparticipações no caso de as entidades beneficiárias disporem de um programador com cinco anos de actividade"

Segundo Pedro Silva, ex-vereador da cultura: «É um programador de excelência, era a garantia de que seria feito um trabalho notável. Perde-se um elemento que poderia dimensionar definitivamente o Teatro Aveirense a nível nacional»


Não é propriamente nada de novo...mas aborrece, lá isso aborrece!

terça-feira, novembro 15, 2005 

Jonah Lomu


Existem seres iluminados, privilegiados, que por uma ou outra razão foram tocados por uma qualquer graça divina.

Ao olharmos para eles e para os seus feitos, perguntamo-nos se seremos da mesma raça, e se sim, porque é que se deu tanto a tão poucos e tão pouco a tantos.

Pois bem, a Jonah Lomu, um desses seres, o destino providenciou que tivesse a força de um touro, a altura de um jogador de basket e a velocidade de uma chita.

Senão vejamos: Com 1m96 e 125Kg é capaz de correr 100 metros em menos de 11 segundos (para fazerem uma ideia deve ser mais rápido que o Cristiano Ronaldo) o que o torna praticamente imparável – e isso dá um certo jeito quando se joga rugby.

Este Neozelandês é uma autêntica força da natureza e chamá-lo de homem é até capaz de ser um pouco ofensivo para ele.

Existe até uma moderna lenda neozelandesa que diz que, não há muito tempo, os Extraterrestres estavam a planear invadir a terra.
Ao pesquisarem sobre a raça humana decidiram recolher um espécimen para averiguar da força dos seus futuros oponentes. Esse espécimen era Lomu, que estava a treinar sozinho no deserto, Ao olhar para ele e para a sua força os extraterrestres julgaram que todos os Homens seriam assim e decidiram abandonar os seus maléficos projectos de invasão.

p.s.- Hoje, Lomu, após algum tempo de interregno voltou à competição.

segunda-feira, novembro 14, 2005 

Para que se saiba

Eu também faço parte dos 9 milhões e picos de portugueses que maquiavelicamente orquestraram um lobby para tirar o frangueiro, desculpem, o passarinho...o Ricardo! da baliza da selecção.


p.s.- por outro lado, também faço parte daqueles 7 milhões e picos que querem que ele se mantenha na baliza do Sporting.

 

Apesar de Tudo...

...a vida encanta-me.

 

Beleza em estado absurdamente bruto (II)

Da banda sonora do Closer, caiu-me no colo este legado.

Esta música é tão bonita e tão perfeita que, provavelmente, é proibida na Coreia do Norte.

Artist: Damien Rice and Lisa Hannigan
Lyrics Song: The Blower's Daughter Lyrics

"And so it is
Just like you said it would be
Life goes easy on me
Most of the time
And so it is
The shorter story
No love, no glory
No hero in her sky

I can't take my eyes off of you
I can't take my eyes off you
I can't take my eyes off of you
I can't take my eyes off you
I can't take my eyes off you
I can't take my eyes...

And so it is
Just like you said it should be
We'll both forget the breeze
Most of the time
And so it is
The colder water
The blower's daughter
The pupil in denial

I can't take my eyes off of you
I can't take my eyes off you
I can't take my eyes off of you
I can't take my eyes off you
I can't take my eyes off you
I can't take my eyes...

Did I say that I loathe you?
Did I say that I want to
Leave it all behind?
I can't take my mind off of you
I can't take my mind off you
I can't take my mind off of you
I can't take my mind off you
I can't take my mind off you
I can't take my mind...
My mind...my mind...
'Til I find somebody new"

 

Suspenso no Tempo (I)

A chuva cai lá fora, enquanto no doce calor do lar saboreio a banda sonora do Closer e aquela que me parece ser a minha recém-adquirida paixão musical; Damien Rice.

…E tudo parece perfeito, como a música.

A vida deveria vir acompanhada de uma banda sonora. Cada um teria a sua; música romântica para os momentos apaixonados, música clássica quando deambulamos no frenesim louco da cidade, reggae nas conversas com os amigos, blues na solidão…

Seríamos mais verdadeiros e viver seria mais salgado.

Nada me toca tão profundamente como a música. Fascinam-me as manifestações de arte; sou capaz de ficar eternidades a olhar para um quadro ou uma fotografia e redescobrir novos prazeres sempre que olho; sou capaz de ver um filme vezes sem conta, de chorar e de andar vários dias com um filme na cabeça e apaixonar-me por personagens, que andam sempre comigo; muito do que penso e do que me faz pensar devo-o a alguns dos livros que li, parte de mim nasceu depois deles…Mas nada, nada, é tão profundamente visceral como a música, nada é tanto. Remexe em tudo o que há de mim, provoca em mim um estado de euforia, de plenitude, de exaltação, que julgo que só será comparável a uma dose da mais pura heroína.

Eduardo Lourenço sente o mesmo e descreveu-o uma vez de uma forma tão deliciosa e precisa que agora gostaria de encontrar esse excerto – Apenas certos seres conseguem precisar o que é impreciso e o que se nos apresenta como caótico e inquantificável.

Não afirmo que seria incapaz de viver sem música; seria, certamente, mas também seriam em número bastante menor os momentos de felicidade, tão puros, tão intensos...como este.

sexta-feira, novembro 11, 2005 

Retro II - Capri-Sonne

 

Retro I - Rebuçados Bayard


quarta-feira, novembro 09, 2005 

Um preto de cabeleira loura?!
















“Um preto de cabeleira loura ou um branco de carapinha não fica bem!

O que é natural e fica bem é cada um usar o cabelo com que nasceu (…)”



Ainda se lembram?! Encontrei esta maravilha aqui, vale a pena rever o filme é hilariante!!


Se alguém souber do paradeiro de “Eu tenho uma termotebe e o meu Pai também” é favor dizer.


terça-feira, novembro 08, 2005 

Bruno Nogueira´s Blog

Por acaso até ouvi dizer que não é ele que escreve, que ele sempre viveu à custa dos outros e pouco mais não é do que um grande oportunista disfarçado de gajo alto e esquanzelado com cara de castiço...mas como eu nem gosto de dizer mal dos outros...fiquem aqui com um cheirinho do seu blog:

"(...)Trabalhe-se em televisão e toda a gente nos conhece. Toda. Mesmo quem nunca nos conheceu. Todos segredam o nosso feitio, porque "ouvir dizer...". Todos afirmar com quem fomos para a cama, que somos drogados, que somos maus colegas, que dúvidas não há porque "estava na revista" Todos, menos os que nos conhecem. O senhor do café, do quiosque, do supermercado, taxista, todos, mas todos sabem e carregam a nossa vida, gota a gota. Chegamos às pessoas já com uma biografia bem traçada, e pouco há a fazer. Só depois se dão ao trabalho forçado de conhecer quem tão bem conheciam. Se somos tímidos e não sorrimos entramos no separador de "antipáticos", se sorrimos demais é porque estamos drogados, se partimos um copo num restaurante é porque "temos a mania", se não o partimos... também temos.
Somos vistos com o dobro da intensidade, mas só para o mal, que para o bem a lupa não está lá. Porque só as histórias más aconchegam o estômago à noite.
Anteontem no bairro alto, um sem-abrigo caíu e torceu o joelho. Ninguém o olhou por um segundo sequer. Sete olharam para mim, para ver se eu o ia ajudar ou não."

in, http://corpodormente.blogspot.com/ do grande (perto de 1m90) Bruno Nogueira

p.s.- Eu não sei se és drogado nem com quem dormiste, mas desde que não tenha sido com a minha namorada, com a minha mãe ou com nenhuma das minhas Avós, isso sinceramente não me interessa muito.
O que me interessa é que me fazes rir, e não é só por causa da tua cara, é porque tens um tipo de humor inteligente, subtil e com um grande aproveitamento dos “silêncios”...ok, a cara tem uma grande influência.
Peço-te é que não desates a fazer anúncios aos Jumbos e que tais, eu sei que precisas de dinheiro como todos, ainda para mais agora que precisas de um vidro novo, mas vidros há muitos seu palerma! e a tua carreira espera-se longa e profícua.

Não me despeço utilizando o tradicional “deste teu fã” porque eu só era fã de uma pessoa: do Hulk Hogan! E hoje, quando olho para trás e vejo que o meu ídolo era um patego de bigode louro e cuecas amarelas até fico mal disposto.

Assim, Um abraço pá ;)

p.s.- a cena do “aproveitamento dos silêncios” foi só para me armar e tentar mostrar que percebo destas coisas de humor.
p.s.2- ...mas não deixa de ser verdade.

p.s.3- a cena do hulk hogan não é verdade, o meu irmão é que era fã e eu gozava com ele, mas encaixava bem aqui.

segunda-feira, novembro 07, 2005 

IV Concurso Literário do Escritor Famoso

Apesar de muitas vezes correr em mim a alma do poeta, a mão, essa, velhaca e desajeitada, não foi bafejada com a mesma graça.

Mas, e a pedido de muitas famílias - bom, não eram assim tantas…ok, nem sequer era uma família e nem mesmo era um “pedido” mas mais um “anda lá, faz lá um poema e deixa de ser parvo!” - decidi participar no IV Concurso Literário do Escritor Famoso.

Apesar da mão, a velhaca, a coisa até me saiu.
Uma menoridade, dirão os entendidos, uma merda, dirão os sinceros, muito bom, dirão os amigos. O que é certo é que gostei, e isso, dirão aqueles que gostam de mencionar frases feitas, é o mais importante.


La Sicciliana




















Toda de mim sou mulher

Em mim corre a doçura
A força da ternura
O seio que te enlouquece

Toda em mim sou assim

Um rasgo que ilumina
O som que fascina
A doce brisa que te inspira

Toda em mim sou tanto

Mãe em todos os poros
Amante de insaciáveis loucuras
Menina sozinha de tantas aventuras

Toda em mim

Sou aquilo que não fiz
As piadas de que não ri
O beijo que te prometi

Toda

De toda, de toda, de toda
Sou assim.
E toda a vida corre em mim