quinta-feira, outubro 28, 2004 

O tempo dos medíocres.

É sobre o caso "Marcelo", mas podia ser sobre Portugal.
«Este episódio é um retrato impiedoso da pequenez e da
miséria moral deste tempo dos medíocres que vivemos, gente
orientada pela mera preservação do poder a qualquer custo,
e que se guia pela velha máxima de que quem não é por si é
contra si. E, por isso, o inimigo tanto está no jornalismo
independente, no comentário político adverso ou nos
empresários que não necessitam de bater à porta do
Governo, como nos companheiros de partido que não alinham
no coro do amiguismo, do auto-elogio e da exaltação cega.»
p.s.- B., obrigado pelo mail.

 

Para quem tiver tempo.

- Nunca tenho tempo.
- Mas o tempo nunca se tem; está lá.
- Pois, mas para mim parece que está menos. Não consigo ter tempo nem para fazer metade daquilo que gostaria.
- Talvez passes demasiado tempo a desperdiçar o teu tempo.
- …desculpa, mas agora não tenho tempo.

terça-feira, outubro 26, 2004 

Agora deu-me para isto...sempre gostei destes rapazes, talvez por causa dos telediscos - bastante "alternativos" para a altura. Posted by Hello

segunda-feira, outubro 25, 2004 

TOU-ME A PASSAR!!

O #$&_# do meu colega, saiu e deixou o computador ligado a dar uma música tecno pouco menos que intragável.

Não consigo tirar aquela merda (tem password) e tou a começar a ficar com uma puta de uma dor de cabeça!!!!

Isto já dura há umas duas horas...tou a começar a ficar com suores frios...

Ahhhhhhhhhhh!!

 

1 curta

Bombardeado por diversas facções, aludindo ao facto de não fazer desporto desde 1915 e de não estar em forma, o meu primo saiu-se com esta:

"Eu estou em forma. Redondo é uma forma, não é?"


sexta-feira, outubro 22, 2004 

U2 2U

O blog da melhor banda do mundo, com uma história bastante curiosa; uma mala do Bono que tinha sido roubada, há 23 anos (!!), foi encontrada por um fã. Essa mala continha diversas letras para o álbum “October” e Bono teve que rescreve-las baseando-se apenas em rascunhos.

quinta-feira, outubro 21, 2004 

O cuco saiu do ninho...roger!

Dia 21 de Outubro

Querido blog,

Hoje fui às compras. Comprei uma casa.


p.s.- esperam-se seguimentos sobre este tema (infelizmente, nos próximos 40 anos).

quarta-feira, outubro 20, 2004 

Datas de Nascimento de Palavras

1910 – Vaca Sagrada (A 1ª foi descoberta na índia e chamava-se Liliah mat Caneças – mas toda a gente dizia que ela não era sagrada)

1925 – Avant Garde (um bocado como Antes de Cristo e depois de Cristo mas aqui era um gajo chamado Garde)

1929 – Sexo (como é que a humanidade chegou até 1929 é que eu gostava de saber?!)

1935 – Racismo (até 1934 utilizava-se a palavra “Etnismo” o que não era bem a mesma coisa, então, em 1935, após 35 almoços entre diplomatas estrangeiros optou-se pela mudança em conselho extraordinário da ONU)

1947 – Wonderbra (Esta palavra advém de “Wunderbra!!” e foi a reacção de um jovem alemão quando viu a primeira mulher de wonderbra – os seus inventores gostaram tanto da expressão que decidiram adoptá-la. Até aí, tinham pensado em chamar-lhe simplesmente “Big Bubs”)

1948 – Cool (a paternidade desta expressão é também da autoria do jovem alemão, depois de se aperceber do efeito que o Wonderbra iria provocar na fisionomia do sexo oposto)

1949 – Big Brother (a opção era sempre “Elder Brother”)

1951 – Fast food (ano do nascimento do Beep Beep)

1966 – Ácidos (a sua inexistência criava sempre algumas dificuldades ao pessoal das raves: “queres ir ali mandar um?” “– Um quê?” “oh, tu sabes…aquelas cenas pequeninas que se põe na boca e ficas UHHH Woww” “…(silêncio)…(mais silêncio)…peta zetas?!”

1985 – Ok e Ya (até então utilizavam-se expressões como: é-me bastante aprazível, gostaria bastante, por obséquio, etc.)

segunda-feira, outubro 18, 2004 

"Aqueles"

Somos aqueles que não deixam esquecer;
- Que os pássaros não cantam para nós
e as sereias nunca morrerão
só porque as deixámos de ver

Somos aqueles que não deixam nunca de sentir;
- Por mais que nos cubram a alma
em mantos de preconceitos
e nos afoguem os sonhos

Somos aqueles que saboreamos;
- O sabor do sal em lábios secos
o doce mel da tua fonte
o vinho quente das tuas essências

Somos aqueles;
- que nunca seremos os outros
porque nunca quisemos nada
pela simples razão de querer tudo

 

Big Brother is Watching You Posted by Hello

quarta-feira, outubro 13, 2004 

Projecto nº 456/alínea b –Secção 32

Depois de ter experimentado 14 desportos, 24 colecções e 324 posições sexuais diferentes; Hoje, ou melhor, Ontem, dei início a mais uma actividade: A Pintura.

Sou, portanto, um pintor – não desses de casas, parede e afins, mas sim daqueles que gastam dinheiro em telas e óleos e depois, para infelicidade destes, oferece aos amigos e/ou familiares os ditos quadros.

Ontem, após os meus primeiros desenhos, e apesar da mão destreinada – sim, porque já foi treinada e obediente, uma pessoa dizia-lhe “desenha um nariz” e ela Tungas! Mais torto ou mais direito e por vezes torcendo ela própria o nariz, lá acabava por fazê-lo – mas, dizia eu que após os primeiros desenhos, fiquei com a mesma sensação que os pais de uma criança feia têm, gostam dele e acham-no a coisa mais querida e bonita do mundo, mas no fundo, até sabem que ele é feito…é bonito, mas é feio (é a isto que chamam o contraditório?!).

Por outro lado, e é isso que me alegra um bocado, sei que daqui há uns anos estes serão os meus quadros mais valiosos. Não pelo valor artístico, que o têm inegavelmente, mas sim, “(…)pela sua busca incessante de novos paradigmas estéticos, nomeadamente, no campo do grotesco”.

segunda-feira, outubro 11, 2004 

24 Horas...ya, ya

Acho que estou preso num vórtice temporal - estou há 56 horas no mesmo dia!

O mais engraçado, que tem muito pouco de engraçado, é que as outras pessoas não se apercebem e isto tem-me provocado alguns problemas. Ainda há umas horas falei com o meu patrão sobre tirar o resto da semana, visto o número de horas seguidas que já estava a trabalhar e ele riu-se na minha cara.

Acho que devo telefonar alguém a avisar onde estou, as pessoas já devem estar a começar a ficar preocupadas.

p.s.- O Santana ainda será o nosso primeiro?!

sexta-feira, outubro 08, 2004 

Nada do que é importante se perde verdadeiramente

"... E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros.
Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram. Não perdi nada, apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre."

Miguel Sousa Tavares (A propósito da perda de Sua Mãe, Sophia de Mello-Breyner).

quinta-feira, outubro 07, 2004 

Porra que isto custa!!

Não fumo há 3 dias.

...não...sei...se...aguentar...muito....mais...tem...po...

 

Os nossos olhos já não são peixes verdes

Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,
e o que nos ficou não chega
para afastar o frio de quatro paredes.
Gastámos tudo menos o silêncio.
Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,
gastámos as mãos à força de as apertarmos,
gastámos o relógio e as pedras das esquinas
em esperas inúteis.

Meto as mãos nas algibeiras e não encontro nada.
Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro;
era como se todas as coisas fossem minhas:
quanto mais te dava mais tinha para te dar.
Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes.
E eu acreditava.
Acreditava,
porque ao teu lado
todas as coisas eram possíveis.

Mas isso era no tempo dos segredos,
era no tempo em que o teu corpo era um aquário,
era no tempo em que os meus olhos
eram realmente peixes verdes.
Hoje são apenas os meus olhos.
É pouco mas é verdade,
uns olhos como todos os outros.

Já gastámos as palavras.
Quando agora digo: meu amor,
já não se passa absolutamente nada.
E no entanto, antes das palavras gastas,
tenho a certeza
de que todas as coisas estremeciam
só de murmurar o teu nome
no silêncio do meu coração.

Não temos já nada para dar.
Dentro de ti
não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus.

quarta-feira, outubro 06, 2004 

Periférica e Clandestina

Não, não é mais um caso de vidas reais, são mesmo 2 revistas que valem a pena.

http://www.clandestina.com/colors/
http://www.periferica.org

A periférica, para quem não conhece, é de Vila Pouca de Aguiar, e é das melhores coisinhas que por aí andam - a New Yorker portuguesa como os próprios se intitulam.